9a BIENAL DA UNE VOLTA AO RIO DE JANEIRO EM 2015 COM O TEMA “VOZES DO BRASIL”

 

Já estão abertas as inscrições para o maior festival estudantil da América Latina;

encontro retorna à capital fluminense entre 1o e 6 de fevereiro de 2015 e irá celebrar

a língua nacional, suas variações, contextos e lugares sociais

O maior e mais aguardado festival estudantil da América Latina já tem data, tema e

local definidos. Abrindo as comemorações dos 450 anos da capital Rio de Janeiro, a 9a

Bienal da União Nacional dos Estudantes (UNE) será realizada entre os dias 1o e 6 de

fevereiro de 2015.

Os seis dias de evento contarão com shows, atividades culturais e esportivas, mostras

científicas, oficinas e debates espalhadas por espaços da capital carioca. As inscrições

já estão abertas.

A Bienal da UNE apresentará o tema #vozesdobrasil, um convite à reflexão sobre a

língua como elemento da identidade cultural brasileira: A língua portuguesa e suas

variações, os idiomas de origem negra, indígena, a relação entre a fala e a escrita e a

língua em seus amplos contextos e lugares sociais.

INSCRIÇÕES

Qualquer estudante pode se inscrever no festival. As inscrições de participantes e para

aqueles que desejam apresentar trabalhos podem ser realizadas pelo site da UNE

www.une.org.br

As áreas que recebem trabalhos são: música, artes visuais, literatura, audiovisual, artes

cênicas, ciência e tecnologia e projetos de extensão.

A inscrição individual para os participantes, que querem fazer oficinas, ir aos shows e

participar dos debates tem o valor de R$ 60, com alojamento incluso. Já para os

estudantes que querem apresentar trabalhos na mostra selecionada, a inscrição é

Estarão isentos de taxas os estudantes cotistas, prounistas e do Fies. Outras

informações serão divulgadas diariamente pelas redes da UNE. Dúvidas podem ser

enviadas para o e-mail contatobienal@une.org.br

#VOZESDOBRASIL

Sempre preocupada em investigar os elementos de formação do povo brasileiro, a

Bienal da UNE destaca, dessa vez, a língua nacional com suas características, variações,

misturas e possibilidades. A Bienal busca a polifonia das vozes que marcam a

construção do país desde a colonização até os dias de hoje, traduzindo a brasilidade

em um universo de modos de fala e escrita tão característicos de um país

culturalmente rico e ainda marcado por fortes desigualdades.

“A Bienal chega ao Rio da Academia Brasileira de Letras e da Biblioteca Nacional, o Rio

da gíria poética das favelas, das invenções linguísticas do funk, do rap e do samba, o

Rio das narrativas imortais de Machado de Assis e tantos outros, o Rio da língua

portuguesa e também da francesa, inglesa, holandesa e de tantas outras que o visitam,

o Rio que completa 450 anos com uma multiplicidade de falas e sentidos tão própria

do Brasil”, destaca um trecho do manifesto da 9a edição, que pode ser lido aqui

(http://www.une.org.br/2014/10/manifesto-da-9%C2%AA-bienal-da-une/).

A BIENAL E O RIO

A Bienal retorna à cidade maravilhosa após três bem sucedidas edições (2001, 2007 e

2011). A relação entre os estudantes brasileiros e o Rio é contada na história. A UNE

foi fundada em terras cariocas e a sua sede funcionou na Praia do Flamengo, 132, até

1a de abril de 1964, data em que foi incendiada por agentes da ditadura militar que

acabava de se instalar no país. Hoje, a entidade está reconstruindo o prédio, no

mesmo local, a partir de um projeto doado por Oscar Niemeyer, com inauguração

prevista para 2016.

Desde a sua primeira edição, realizada em 1999, em Salvador (BA), a Bienal da UNE

tem o intuito de divulgar as produções artísticas e culturais dos estudantes de todas as

regiões do Brasil. Fazem parte desse repertório música, cinema, literatura, teatro,

ciência e tecnologia e projetos de extensão. O festival também abre espaço para aulas-
espetáculos, grandes shows, atividades esportivas, oficinas e seminários.

O festival é sempre marcado pelo debate e investigação acerca de um elemento

específico da formação do povo brasileiro. Entre os temas já abordados estão a relação

entre o Brasil e a África, a integração latino-americana, o samba e a cultura popular.

A última edição da Bienal, em 2013, desceu e subiu as históricas ladeiras de Olinda, em

Pernambuco, celebrando o centenário de Luiz Gonzaga, o mestre Gonzagão. O tema “A

volta da Asa Branca” pontuou a programação que contou com a participação de

Lenine, Alceu Valença, J.Borges entre outros artistas brasileiros.

Confira os vídeos das últimas edições da Bienal da UNE:

1999 – 1a Bienal da UNE: http://goo.gl/dL8aAK

2001 – 2a Bienal da UNE: http://goo.gl/Q2hqLT

2003 – 3a Bienal da UNE: http://goo.gl/CvEzDX

2005 – 4a Bienal da UNE: http://goo.gl/JtBWYu

2007 – 5a Bienal da UNE: http://goo.gl/O6NW3v

2009 – 6a Bienal da UNE: http://goo.gl/hkn934

2011 – 7a Bienall da UNE: http://goo.gl/jv8oOW

O quê? 9a Bienal da UNE

Quando? 1o a 6 de fevereiro de 2015

Quanto? R$ 60

Onde? Rio de Janeiro

Informações? facebook.com/bienaldauneoficial

SUGESTÕES DE ENTREVISTAS:

Vic Barros – presidenta da UNE

Patrícia Matos – diretora de Cultura da UNE

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA E AGENDAMENTO DE ENTREVISTAS:

Contra Regras Comunicação

Larissa Scarpelli

Tel.: (31) 9398.5048 / (31) 3653.9103

e-mail: imprensabienal@une.org.br

Rafael Minoro

Tel.: (11) 9 8614.2689 / (11) 2503.1978

e-mail: imprensa@une.org.br

VAMOS BRADAR: PÁTRIA EDUCADORA!

Foi assim Dilma Rousseff no seu discurso de posse: educadora. Abrir o ano, no dia Mundial da Paz, com uma sonoridade popular tão fina, que somente a oposição não quer ouvir. Dilma deixou o coração valente da campanha em alguns momentos do discurso e assumiu um coração sensato. Preparou a fala e falou para todos e todas.

DILMA ROUSSEFF recebe a FAIXA PRESIDENCIAL e cumprimenta o povo.

Muita gente esperava rancor e espinhos odiosos na primeira fala da presidenta do Brasil, mas Dilma somente explicou o que deseja e qual o projeto para os próximos 4 anos. Até o dia 31 de dezembro de 2018, o povo brasileiro, através dos processos democráticos de participação popular vai construir uma nação ainda melhor.

Quando a Presidenta Dilma, no Congresso Nacional, em seu discurso de posse, disse que EDUCAÇÃO é a nossa prioridade, foi uma emoção. Saber que superamos a miséria e pobreza como nenhum país das Américas, e agora a nação tem um novo compromisso. De tudo que ouvimos e lemos, quero somente destacar e lembrar o momento mais bonito da fala da presidenta:

”Senhoras e Senhores,

Gostaria de anunciar agora o novo lema do meu governo. Ele é simples, é direto e é mobilizador. Reflete com clareza qual será a nossa grande prioridade e sinaliza para qual setor deve convergir o esforço de todas as áreas do governo. Nosso lema será: BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA!

Trata-se de lema com duplo significado. Ao bradarmos “BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA” estamos dizendo que a educação será a prioridade das prioridades, mas também que devemos buscar, em todas as ações do governo, um sentido formador, uma prática cidadã, um compromisso de ética e um sentimento republicano.

Só a educação liberta um povo e lhe abre as portas de um futuro próspero. Democratizar o conhecimento significa universalizar o acesso a um ensino de qualidade em todos os níveis – da creche à pós-graduação; Significa também levar a todos os segmentos da população – dos mais marginalizados, aos negros, às mulheres e  a todos os brasileiros a educação de qualidade.”