Canal Saúde estreia na TV aberta em Brasília

O CANAL É DO SUS!
A Emissora estará na multiprogramação da TV Brasil a partir de 9 de dezembro e promove debate sobre gestão participativa, dia 3, na 15ª Conferência Nacional de Saúde

O Canal Saúde estreia na TV aberta, em Brasília (DF), no dia 9 de dezembro. A programação da emissora do Sistema Único de Saúde (SUS), criada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), fará parte da multiprogramação da TV Brasil, possibilitada pela migração para o Sistema de Brasileiro de TV Digital. O Canal Saúde irá ocupar o canal 2.4 na capital federal.

Com a migração gradual da TV aberta do sistema analógico para o sistema digital, a previsão é de que, em janeiro de 2016, a transmissão do Canal Saúde chegue também às cidades do Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) e até 2019 a emissora esteja acessível, em sinal aberto, a todos os municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes.

A mudança permitirá que conteúdo de qualidade sobre o SUS alcance mais de 120 milhões de pessoas nos próximos anos. O Canal Saúde foi incluído na programação da TV aberta digital por meio de um acordo interministerial, assinado em setembro deste ano, para a implantação dos canais públicos no Sistema Brasileiro de TV Digital, que inclui, além da Saúde, um canal para a Educação, um para o Poder Executivo e um para a Cultura.

“O mais importante dessa entrada na TV aberta é que o Canal Saúde não é uma emissora da Fiocruz ou do Ministério da Saúde, é um canal do SUS, do Sistema Único de Saúde”, defende a gerente do Canal Saúde, Marcia Corrêa e Castro. “É fundamental entender o SUS como política de Estado e não de Governo. O mesmo vale para a Comunicação Pública, que deve ser política de Estado. É nessa seara que o Canal Saúde se insere e é aí que está o papel dele e a importância da sua programação chegar a cada vez mais brasileiros”, conclui.

Debate

 
Dentro do contexto da sua entrada na TV aberta, o Canal Saúde vai debater a gestão participativa da emissora, na 15ª Conferência Nacional de Saúde, em Brasília, no dia 3 de dezembro, quinta-feira, às 10h, na Tenda Paulo Freire.

O debate, paralelo à Conferência, será aberto a todos, delegados ou não delegados, na tenda que fica localizada fora dos pavilhões onde será realizada a décima quinta.

Para debater a ampliação desta janela para a compreensão do SUS, discutir conteúdos e formas de gerir o Canal Saúde, estarão presentes representantes do Conselho Nacional de Saúde, Ministério das Comunicações, Intervozes e do próprio Canal.

Mais informações:
Assessoria de Comunicação – Canal Saúde/Fiocruz/Ministério da Saúde
Gabriel Cavalcanti da Fonseca – 21 3194-7743
gabrielcfonseca@gmail.com

Coordenação: Ana Cristina Figueira

www.canalsaude.fiocruz.br    www.twitter.com/canalsaude     www.facebook.com/canalsaudeoficial

Goianienses fortalecem a FRENTE em DEFESA DO SUS

 

No dia 1º de dezembro  em Brasília, movimento Todos pela Saúde vai pedir mais recursos para a Saúde

O secretário municipal de Saúde, Fernando Machado e os membros do Conselho Municipal de Saúde, se  reúnem nesta quarta, 18, às 14h30, na Escola Municipal de Saúde Pública, com os membros dos  sete distritos sanitários de saúde de Goiânia para mobilizar os servidores da saúde a participarem da Marcha pelo SUS, no dia 1º de dezembro em Brasília, durante a abertura da 15ª Conferência Nacional de Saúde. O ato faz parte do Movimento Todos pela Saúde, que foi lançado em Goiânia no dia 11 de novembro e pretende levar 10 mil goianos à capital federal.

 

Caravanas de ônibus vão sair da capital e dos 245 municípios goianos para a Marcha que  tem o desafio de sensibilizar o Congresso Nacional a votar a PEC 01/2015. O Projeto de Emenda Constitucional aumentaria na prática os valores aplicados pela União no setor de Saúde. Os integrantes da “Marcha Nacional em Defesa da Saúde do Brasil, da Saúde do Povo Brasileiro, da Democracia e do SUS” também vão pedir a suspensão do corte de R$ 16 bilhões no orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS), anunciado para 2016 pelo governo federal.

 

O secretário Fernando Machado, que também é vice-presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems), explica que não se trata de um movimento contra os governos e que o interesse de todos é sensibilizar a União, a Câmara e o Senado sobre a necessidade de se investir mais no SUS e suspender os cortes. “O governo pode adiar uma obra, por exemplo, mas é impossível adiar o atendimento a um renal crônico, a um acidentado  ou um doente. No SUS, tudo é para ontem. Trabalhamos com vidas”, diz ele.

A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia faz atualmente cerca de 1,5 milhão de atendimentos/mês e vem sofrendo impacto em todas as áreas de atendimento com os cortes que já vinham sendo feitos, como o de R$ 6 bilhões neste ano de 2015.  O secretário cita o exemplo das cirurgias eletivas, que já sofreram corte de 90%. O município de Goiânia recebia uma média de R$ 3,5 milhões por mês do Programa Nacional de Cirurgias Eletivas, mas foi avisado que esse valor pode ser para o ano inteiro. “Goiânia vinha figurando há dois anos como campeã na realização de cirurgias eletivas e mantendo uma fila de 10 mil pacientes. Sem esses recursos essa fila vai explodir”, prevê o secretário.

 

O Movimento Todos pela Saúde foi lançado em Goiânia no dia 11, pela Secretaria Estadual de Saúde. O secretário de Saúde de Goiânia, Fernando Machado representou o prefeito Paulo Garcia e assinou a Carta de Goiás.  Fazem parte do movimento o Conselho Estadual de Saúde (CES/GO), Conselho Municipal de Saúde, Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems/GO), Central Única dos Trabalhadores (CUT/GO), Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde/GO), Associação dos Hospitais de Alta Complexidade (AHPACEG) e Associação dos Hospitais do Estado de Goiás do Estado de Goiás (AHEG

A 15ª Conferência Nacional de Saúde será realizada em Brasília nos dias 1 a 4 de dezembro, e deverá reunir mais de 3 mil delegados e delegadas dos estados.

Serviço:

O quê? – Mobilização para o Todos pela Saúde

Quando? 18 de novembro – quarta-feira

Onde? Escola Municipal de Saúde Pública – Endereço: Avenida T-10, nº 1.030, Setor Bueno – em frente à Faculdade Araguaia.

COM INFORMAÇÕES da Secretaria de Saúde de Goiânia – ASCOM

ASSALARIADOS E ASSALARIADAS TEM NOVA ORGANIZAÇÃO SINDICAL NO BRASIL

 

Assalariados e Assalariadas do Brasil criaram no dia 31 de outubro de 2015 a mais nova entidade sindical:  Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais(CONTAR); que nasce dissociada da CONTAG – que agora passa a representar a agricultura familiar – encontro a CONTAR os trabalhadores (as) assalariados do Brasil. Foram 50 delegados de cinco Federações, que participaram do I Congresso Nacional Extraordinário dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais, em Brasília-DF.

Novos dirigentes da CONTAR

 

O Congresso elegeu a primeira diretoria da CONTAR, mas antes do processo de escolha da nova direção, os trabalhadores e trabalhadoras, participaram de debates e discussões em grupo. Entre os debatedores estavam: o diretor adjunto da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Stanly Gacek; o presidente da CONTAG de 1993 até 1998, Francisco Urbano; o presidente da CTB, Adilson Araújo; a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro; o secretário Regional da América Latina da UITA, Gerardo Iglesias; o diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Clemente Ganz Lúcio; além de toda diretoria da CONTAG, e outras lideranças sindicais.

 

O presidente da CONTAG, Alberto Broch, participou da abertura e encerramento do Congresso dos Assalariados (as), aos participantes, Alberto destacou o trabalho dos dirigentes e membros da comissão, que discutem a dissociação há muitos anos dentro do MSTTRs: “Queria em nome da direção da CONTAG, trazer o nosso abraço, o nosso reconhecimento pelo extraordinário Congresso daCONTAR realizado nesses dois dias. Registrar o trabalho de base dos delegados assalariados e assalariadas aqui presentes, que são os e as principais protagonistas desde momento histórico. O trabalho extraordinário dos cinco companheiros da comissão pró-organizadora do Congresso CONTAR. Enaltecer o compromisso de toda diretoria da CONTAG, das nossas 27 Federações e sindicatos filiados, que por cerca de dois anos se dispuseram a debater todo o processo de dissociação. Reconhecer o trabalho do secretário de Assalariados e Assalariadas Rurais da CONTAG, Elias D´Ângelo Borges, do secretário de Formação e Organização da CONTAG, Juraci Souto e da nossa assessoria jurídica pelo empenho incansável com todo o processo que tivemos que passar para chegar até o Congresso da CONTAR. Este é um momento histórico, onde a partir de agora todos os assalariados e assalariadas rurais do Brasil passarão oficialmente a ser representados pela CONTAR. Assim, agradecemos pelos 52 anos que passamos juntos, assalariados e assalariados, agricultores e agricultoras familiares do Brasil. Queremos afirmar o compromisso de seguirmos unidos e lutando pela Reforma Agrária, contra o latifúndio, a favor do nosso Projeto com Soberania e Segurança Alimentar. Saberemos trilhar essa luta em unidade”, destacou em tom firme o presidente da CONTAG, Alberto Ercílio Broch.

Os delegados e delegadas do I Congresso dos Assalariados (as), depois dos debates e discussões em grupo, aprovaram o Estatuto da CONTAR e elegeram os novos dirigentes da entidade, que foi composta por assalariados e assalariadas dos estados do Mato Grosso do Sul, Goiás, Pará, Rio de Janeiro e Pernambuco. A nova direção ficou com a seguinte composição:

 

Presidente – Antônio Lucas Filho (GO)

Vice-presidente, Formação e Organização Sindical – Raimundo Ferreira Lima (PA)

Sec. Finanças e Administração – Divina Rosa da Cruz – (MS)

Sec. Geral e Assuntos Jurídicos – Everaldo Nazário Barreto (PE)

Sec. De Gênero e Geração – Fabiana Minian (RJ)

 

Conselho Fiscal – Gilvan José Antunes (PE)

                               Alexandre de Lima Menezes (PA)

                               Jacir Pareira da Silva (RJ)    

 

O novo presidente da CONTAR, Antonio Lucas Filho, comemorou com a nova direção a escolha, e disse que pretende viver muitos anos para continuar lutando: “Eu quero viver uns 130 anos, para acompanhar o crescimento da  nossa CONTAR… Nós sabemos que todo mundo é importante nesse processo que culmina com eleição dessa nova diretoria da CONTAR, mas em especial agradeço os delegados e delegadas, assalariados e assalariadas desse país. Aqui quero lembrar dois nomes. Um deles, é o de Margarida Alves, pois eu nunca esqueci da luta dela pelos direitos dos assalariados rurais. Outro, é o de Manoel de Serra, como um presidente da CONTAG que sempre falou pra  mim que um dia isso seria possível se a gente continuasse na luta. Tudo que aprendi vem dessa luta, das greves, dos vários enfrentamentos que fizemos”, disse com emoção o novo presidente da CONTAR Antonio Lucas Filho.

A nova direção da CONTAR tem um mandato de quatro anos.

 

CONFIRA MAIS FOTOS – https://www.flickr.com/photos/luizparahyba

Com informações da CONTAG – Assessoria de Comunicação