FIOCRUZ sem democracia

 

 

A FIOCRUZ – Fundação Oswaldo Cruz – é secular e mantem uma tradição muito democrática e participativa. É responsável pelas pesquisas estratégicas para a saúde pública brasileira. Tudo que está ao nosso lado e na nossa vida de desenvolvimento tecnológico/científico para a melhoria da saúde tem a presença da FIOCRUZ com seus cientistas e pesquisadores de alto gabarito.

Pois bem, esses técnicos, cientistas, pesquisadores e todo quadro da Fundação Oswaldo Cruz, foram traídos pelo viés antidemocrático do governo federal, que contrariando uma decisão soberana das eleições internas da instituição, resolve retirar o nome da Professora Nísia Trindade, que foi votada pela comunidade científica com mais de 60% da preferência, para nomear a segunda colocada no processo.

“Defender a Fiocruz é defender a ciência e tecnologia em saúde no nosso país, é defender a nossa soberania”, afirma a ex-presidente do Conselho Nacional de Saúde, Socorro Souza, hoje pesquisadora da FIOCRUZ. Socorro Souza não concorda com o processo de nomeação da segunda colocada e defende o processo de escolha democrática da FIOCRUZ e imediata nomeação da professora Nísia Trindade para a presidência.

O ministério da saúde vasou uma informação para o jornal O Globo, que irá publicar no Diário Oficial da União no dia 02 de janeiro, a nomeação da professora Tânia Araújo (segunda colocada na escolha da Fiocruz). “Concordar com isso é aceitar que todo o nosso processo de gestão participativa seja jogado no lixo, inclusive a nossa escolha para direção das Unidades”, diz Francisco Netto, membro da FIOCRUZ.

Trabalhadora rural ao lado de um banner do curso de formação de facilitadores para o campo, florestas e águas. O curso foi realizado pela FIOCRUZ

A Fundação Oswaldo Cruz está presente na formação, organização e processos de melhorias da saúde pública, promovendo pesquisa, cursos e desenvolvendo pessoas para o SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Na política de saúde do campo e das florestas, a FIOCRUZ é determinante para o trabalhador e trabalhadora rural e para os ribeirinhos…Agora os pesquisadores e cientistas da Fundação vão para as ruas, mostrar como é importante a ciência e a democracia, principalmente para defender o sistema de saúde pública.

Diante dessa ameaça a democracia, a Associação dos Servidores da FIOCRUZ – ASFOC – vai realizar uma assembleia geral no dia 03 de janeiro de 2017, na para discutir a defesa da indicação da mais votada para a presidência da Fundação. A assembleia geral será na sede do Rio de Janeiro em Manguinhos.

 

Matéria de O GLOBO – http://blogs.oglobo.globo.com/panorama-politico/post/fiocruz-tem-novo-presidente-tania-araujo-jorge.html

 

One comment

  • Socorro Souza

    Sim, o cenário é preocupante e caiu como uma bomba neste momento de final de ano. Não estamos desmobilizados. O Conselho Deliberativo da Fiocruz está reunido e será convocado o Congresso Interno com servidores da instituição para 1a quinzena de janeiro. A democracia deve prevalecer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *