06/05/2021
Início Posts A minha cidade vive!

A minha cidade vive!



Os seis meses que compreendem as convenções eleitorais e o final do mandato dos prefeitos tornam-se um período de provação para as comunidades, principalmente de cidades com menos de 10 mil habitantes. Já as cidades grandes, sofrem, proporcionalmente, a irracionalidade política dos dirigentes que paralisam obras.

Os efeitos devastadores de obras paradas são mensurados pelos órgãos de controle e fiscalização (TCM, CGU, Controladoria e outros), mas somente aparecem quando os responsáveis já estão fora do poder ou, às vezes, ganham imunidade parlamentar. E enquanto os fiscais fazem relatórios, as obras e serviços estão fora do ar, o povo sofre e as cidades perdem receita, ficam sujas, desorganizadas e muita gente sem exame médico, ambulância, material escolar, merenda, vacinas e até caixão de defunto.

Quando vejo a velocidade das obras na capital do estado e o olhar desolado dos fracassados, lembro-me que isso poderia ser todo dia, durante todo mandato de todos os mandatários, prefeitos, governadores e presidentes. Mas nem sempre é assim. Em Goiânia, há grandes sinais que o azeite colocado na máquina pública, continue funcionando bem a estrutura pública. Já em municípios bem próximos à Capital, é visível o desleixo com o dinheiro do povo. Veja o caso de Trindade, onde o Prefeito é praticamente obrigado pelo poder eclesiástico para terminar uma calçada e outras vias para a Festa do Divino Pai Eterno. Isso mostra a total falta de planejamento e controle da administração.

Quem não consegue terminar uma calçada, num município que receberá mais de 2 milhões de visitantes num período de 10 dias, não tem controle com a coisa pública, não há condições de gestão. Mas, e lembrando que temos ainda seis meses de administração, basta o candidato apoiado pelo gestor ou sua própria candidatura fracassar, que tá tudo arrasado, abandonado e sem controle.

Nem quero lembrar que muitos prefeitos não terminam as obras, pois, como não podem fazer festa de inauguração, com distribuição de comida e bebidas, preferem deixar a praça, o posto de saúde, as calçadas, a pavimentação ou a área de lazer para inaugurar no próximo mandato ou não concluir para prejudicar o sucessor.

O PODER É LOCAL, a cidade é nossa, nós escolhemos nossos gestores, por isso nossas cidades devem ser VIVAS, ativas e sob nossa fiscalização intensa. Não deixem paralisar as obras e serviços da sua cidade. Pois A CIDADE VIVE!

CARTILHA DA CGU

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

“NA GAVETA” comenta a taça mais cobiçada do mundo

  ESPORTES: Na GAVETA   – Hoje, 05 de Maio, 13h , na RÁDIO QUINTAL e nas principais plataformas de áudio. No terceiro episódio de “NA GAVETA”,...

“Quem não vê bem uma palavra não pode ver bem uma alma” (Fernando Pessoa)

        Trecho de Fernando Pessoa, escrito no chão do museu interativo da Língua Portuguesa na Estação da Luz, encanta jovens e...

VISÃO DE MUNDO com 5 assuntos no PODCAST

VISÃO DE MUNDO O seu programa quinzenal de notícias internacionais, o Visão do Mundo, terá seu terceiro episódio lançado hoje (03/05) às 10h da manhã....

Animais no convívio humano da infância a velhice, é tema de Podcast

  O 80BPM é parte do projeto "CÁSPER NO QUINTAL", confira:   O terceiro episódio do Podcast 80BPM chegará às principais plataformas de áudio nesta quarta-feira (05),...