06/05/2021
Início Destaque Entidades repudiam desmonte da Rede de Atenção Psicossocial

Entidades repudiam desmonte da Rede de Atenção Psicossocial

A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) não está centrada em apenas um serviço, o Centro de Atenção Psicossocical (CAPS), já que o cuidado em rede proposto inclui a articulação de diversos serviços da saúde e intersetoriais.

O percurso da Reforma Psiquiátrica Brasileira é de sucesso, centrado no fechamento de leitos monovalentes e na abertura de serviços comunitários. Apesar do subfinanciemtno permanente e da falta de cobertura de alguns equipamentos, tem conseguido oferecer ampla assistência para as pessoas com problemas de saúde mental ao longo e ao largo do pais.

A proposta de mudanças na Política de Saúde Mental que está sendo planejada pelo Ministério da Saúde (MS), sob influência da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e que vem acompanhada da ameaça de revogação de portarias importantes, é mais um grave retrocesso imposto por este governo. Os significantes “moderno” e “baseado em evidências científicas”, repetidos à exaustão na minuta apresentada, tornam-se patéticos na intenção de convencimento de que essa “nova política” se opõe a uma política anterior que seria arcaica e ideológica. Quem são os arcaicos e ideológicos que querem fazer o país andar para trás “20 anos em dois”?

A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) não está centrada em apenas um serviço, o Centro de Atenção Psicossocical (CAPS), já que o cuidado em rede proposto inclui a articulação de diversos serviços da saúde e intersetoriais. Na portaria 3088 de 2011, a Atenção Primária à Saúde também é alçada a um lugar estratégico, fortalecendo a importância de ações territoriais e comunitárias, na luta contra a segregação e o afastamento comunitário das pessoas com problemas mentais. Os Nucleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) e o apoio matricial são dispositivos de integração de rede importantíssimos.

A RAPS é a rede mais complexa e diversa do SUS: não só inclui serviços diferentes, como assume que é responsabilidade da saúde reparar danos históricos causados, de forma iatrogênica, à vida daqueles que que foram confinados em manicômios. Deliberadamente, a RAPS não inclui os hospitais psiquiátricos, em função das inúmeras publicações nacionais e estrangeiras que ao longo da história atestaram sua ineficácia, bem como a persistência de violações dos direitos humanos dos internados, características agora estendidas às comunidades terapêuticas, como têm comprovado recentes relatórios e denúncias públicas.

O modelo de assistencial multiprofissional da RAPS possui enorme consistência epistemológica e tem sido elogiado e reconhecido internacionalmente como uma das potências e originalidades de nosso sistema e de seus serviços de base comunitária e territorial .

Há um número expressivo de publicações, nos últimos 15 anos, dedicadas a produzir evidências sobre o papel dos serviços da RAPS, várias delas indicando claramente o avanço do tratamento de base territorial-comunitária em comparação ao tratamento em hospitais psiquiátricos, especialmente na percepção dos seus usuários e familiares. Inclusive, com redução nas taxas de hospitalização e das taxas de suicídio em municípios que implantaram CAPS e, principalmente, naqueles que lograram, apesar do subfinanciamento da área, estruturar uma forte e diversificada rede de serviços, como preconizado na Lei 10.216/2001.

O aumento de manifestações de angústia e sintomas de mal estar psíquico causado pela pandemia (inclusive de manifestações mais graves e de ideação suicida) não deve ser submetido a um furor patologizante e medicalizador. Essas pessoas precisam de escuta e, algumas, de cuidado especializado. Para tanto, o SUS e a saúde mental precisam, sim, e urgentemente, de mais recursos. O tratamento adequado não poderá desconsiderar os avanços democráticos, nem retirar os principais interessados do palco de decisões, priorizando uma visão tecnocrática anacrónica, enviesada e distorcida por interesses comerciais e corporativos, que nega os avanços obtidos pela saúde mental brasileira, que colocou as pessoas como foco da atenção e do interesse da política pública.

Por todo o exposto, repudiamos veementemente toda e qualquer tentativa de retrocesso do modelo comunitário de assistência à Saúde Mental. Repudiamos a proposta apresentada pelo MS com base nas diretrizes de uma única associação profissional, porque defendemos o SUS, a RAPS e o direito das pessoas serem tratadas em liberdade, com pleno usufruto dos direitos humanos, e apostamos na construção coletiva e democrática das políticas públicas.

Além disso, qualquer discussão relacionada à atual Política Nacional de Saúde Mental deve envolver outros atores fundamentais, inclusive o controle social, representado pelo Conselho Nacional de Saúde e pelo Conselho Nacional de Assistência Social.

Assinam:

Abrasco – Associação Brasileira de Saúde Coletiva

ABrES – Associação Brasileira de Economia da Saúde

Cebes – Centro Brasileiro de Estudos de Saúde

Associação Rede Unida

SBB – Sociedade Brasileira de Bioética

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

“NA GAVETA” comenta a taça mais cobiçada do mundo

  ESPORTES: Na GAVETA   – Hoje, 05 de Maio, 13h , na RÁDIO QUINTAL e nas principais plataformas de áudio. No terceiro episódio de “NA GAVETA”,...

“Quem não vê bem uma palavra não pode ver bem uma alma” (Fernando Pessoa)

        Trecho de Fernando Pessoa, escrito no chão do museu interativo da Língua Portuguesa na Estação da Luz, encanta jovens e...

VISÃO DE MUNDO com 5 assuntos no PODCAST

VISÃO DE MUNDO O seu programa quinzenal de notícias internacionais, o Visão do Mundo, terá seu terceiro episódio lançado hoje (03/05) às 10h da manhã....

Animais no convívio humano da infância a velhice, é tema de Podcast

  O 80BPM é parte do projeto "CÁSPER NO QUINTAL", confira:   O terceiro episódio do Podcast 80BPM chegará às principais plataformas de áudio nesta quarta-feira (05),...